A UEPA está sucateada e abandonada (e há mais de 20 anos)

uepa

A Universidade do Estado do Pará apareceu na mídia ultimamente por conta da candidata aprovada pelas cotas e também por ter errado divulgado a aprovação de um candidato reprovado, mas isso é a ponta do iceberg da falta de gestão que o governo tucano de Simão vem promovendo na UEPA e na educação pública paraense.

A UEPA não tem orçamento próprio como a USP, pois todo o recurso utilizado pela UEPA vem do projeto atividade “educação pública de qualidade” e dentro dessa atividade há os recursos da SEDUC por exemplo, então, a mesma verba que paga o professor da SEDUC também para o professor da UEPA, por isso que há pouco tempo atrás não havia diferença muita diferença entre o salário de um professor AD-4 do ensino médio e um professor de ensino superior da UEPA, inclusive a UEPA é mantida, assim como a SEDUC/PA, principalmente através das transferências de verbas federais oriundas do FUNDEB, portanto, são verbas GARANTIDAS! Cabe ao gestor fazer o bom uso.

Apesar de ter verba, a UEPA sofre com a precariedade nas instalações, com a falta de recursos humanos e também com problemas na remuneração dos professores, por exemplo, um professor da UFPA faz concurso para se dedicar exclusivamente à atividade docente, já na UEPA há processos seletivos anuais, mas no geral os docentes não são exclusivos, inclusive muitos atuam em universidades particulares ou mesmo na SEDUC, o que é de certa forma ruim para a pesquisa, pois nem todos os professores conseguem ter tempo para produzir pesquisa, pois precisam complementar seus salários.

A verdade é que a UEPA hoje (e a SEDUC) lembra muito a UFPA dos anos 80 e 90 do século passado, em que era uma universidade precária, patriarcal e com pequenas ilhas de excelência em alguns cursos, mas no geral, era uma universidade elitista e ruim, não por acaso os últimos dirigentes da educação no Pará (e por extensão da UEPA) foram dirigentes (reitores) daquela UFPA do passado, como o professor e deputado Nilson Pinto e o prof. Alex Fiúza, anos em que a UFPA cresceu pouco e teve a sua estrutura sucateada por falta de investimentos.

Para que haja uma mudança na UEPA é preciso melhorar a gestão, inclusive promovendo a participação dos docentes e discentes nas decisões da universidade, vincular o orçamento da UEPA diretamente a arrecadação do ICMS, assim a UEPA poderia deixar de dividir orçamento com a Educação Básica e investir mais em pesquisa, inovação, ampliação de número de vagas e melhoria na estrutura dos campi na capital e no interior. É preciso também profissionalizar a gestão e torná-la mais democrática e não esquecer que a universidade precisa ir além da prestação do serviço e se tornar um campo aberto de debates de ideias.

Desabafo de um professor sobre a atual situação dos campi da UEPA

Desabafo de um professor sobre a atual situação dos campi da UEPA

Advertisements

Comentário do dia [#1 filha de dono de escola particular é aprovada pelo sistema de cotas na Universidade do Estado do Pará]

#1 filha de dono de escola particular é aprovada pelo sistema de cotas na Universidade do Estado do Pará

“As cotas existem para corrigir uma distorção na sociedade e ao que parece a candidata aproveitou a brecha que o edital da UEPA dava e se candidatou, lembrando que o desempenho dos que concorrem pelas cotas é menor, o que é uma vantagem para quem tem o direito. Se partimos do ponto de que só é bolsista de escola privada quem não tem meios para arcar com as mensalidades, então a situação da candidata é ilegal, no entanto, o edital da UEPA não coloca como condição ser hipossuficiente financeiramente. A UEPA precisa aprender a redigir edital…”