A Belém Submersa no Trending Topics

Ontem o caos ocasionado pela chuva teve reperscusão no twitter ao figurar em 1° lugar no Trending Topics com a hashtag #btcaos. Esse fato lamentável aumenta o coro de pessoas indignadas com a situação cada vez mais caótica do trânsito e o problema das enchentes, que atingem praticamente todos os bairros de Belém.

No centro,  20 minutos de chuva é suficiente para o esgoto transbordar e o trânsito parar, enquanto na periferia os canais transbordam devolvendo todo o lixo jogado pela população (o lixo é um problema sério em Belém!).Quem não tem a chance de morar em edíficios fica a mercê das águas que invadem as casas, trazendo doenças e causando prejuízo, como destruição de mobilia e outros aparelhos.

 

Andar em dias de chuva forte é perigoso, ja que na cidade a regra é a presença de bueiros sem tampa e bocas-de-lobo entupidas e sem grade, um risco para quem tenta voltar para casa, tanto para pedestres e motoristas.

A Belém de tempos atrás não enchia tanto como enche hoje, então qual a explicação? Talvez o atual prefeito tenha a resposta, já que as obras da bacia da Estrada Nova e Tucunduba estão paradas, provávelmente não serão concluídas nesse péssimo governo municipal, na melhor das hipóteses só em 2013.

 

A população não é só vítima, mas também é cúmplice desses fatos (pelo menos parte da população). Basta circular de Val-de-Cães ao Guamá (como na música do Nilson Chaves) para observar a quantidade de lixões clandestinos em via pública e fiscalização zero.

 

A nosso cenário atual também é reflexo de políticas que alteraram a paisagem urbana tapando canais, permitindo construções irregulares na calha do rio Guamá, além do desleixo quanto ao manejo de resíduos sólidos (entulhos), cada vez mais comum na cidade.

 

Assim como os internautas se mobilizaram para denunciar o caos na cidade, espero que um dia a cidade mude com a mobilização do povo e não de governantes, que uma vez no poder e cercado de assessores, esquecem do povo (relembrando apenas em época de eleição).

 

 

Advertisements

Tarifa de ônibus urbano de Belém não é a mais baixa do Brasil

Belém não é a capital com a tarifa mais baixa do Brasil, segundo os dados das prefeituras, São Luís (MA) com R$ 1,60 responde pela menor tarifa, enquanto que Florianópolis (SC) possui a tarifa mais cara (R$ 2,80).

A diferença entre tarifas não pode ser comparada, já que cada cidade possui um sistema de transporte diferente, São Luís é uma ilha por exemplo, Belém (sem levar em consideração a Região Metropolitana) não é tão grande quanto São Paulo ou Rio de Janeiro, portanto, comparar preços e justificar reajuste de tarifa da cidade por ser a mais barata do Brasil também não é aceitável (essa sempre foi a principal razão para os reajustes anuais praticados pelo SETRANSBEL (sindicato patronal dos ônibus).

De fato, a frota  de ônibus foi renovada em parte, a maioria da renovação se deu nas empresas de Belém, as que circulam em Ananindeua, Marituba, Mosqueiro e Benevides ainda deixam muito a desejar.

Nossos ônibus não têm ar-condicionado e muitos são sujos e circulam lotados, sem falar na falta de educação por parte dos funcionários, principalmente no tratamento com idosos, portadores de necessidades especiais e gestantes.  A passagem de ônibus é cara para o trabalhador paraense e a tendência é que só aumente.

PS.: A Prefeitura de Belém novamente  nos apresenta um projeto  contraditório, que é o de perdoar o ISS (Imposto sobre Serviços) que o SETRANSBEL deve, o que gira em torno de R$ 80 milhões. O projeto é um presente para os empresários, pois não são os juros que serão perdoados, mas sim a dívida propriamente dita. Será que com o perdão dessa dívida, a tarifa vai ser reduzida? A qualidade do serviço será melhorada?

Fiquem atentos.