Pará: Polícia para quem precisa (e pede)

A declaração de Luiz Fernandes Rocha, Secretário de Segurança Pública do Estado do Pará, afirmando que o casal de ambientalistas assassinados em Nova Ipixuna não pediu proteção policial,  prova que o Estado não tem condições de prover segurança aos paraenses, principalmente aos ameaçados por fazendeiros, grileiros e madeireiros.

Segurança pública é um direito constitucional, mas no Pará é preciso pedir primeiro.

Um vídeo gravado no TEDx Amazônia mostra o ambientalista José Cláudio Ribeiro da Silva contando a sensação de “ter uma bala na cabeça”. Os fatos provaram que o assassinato de lideranças que defendem a floresta de pé é só uma questão de tempo.

Advertisements

Mais mortes por terra no Pará

Hoje mais dois camponeses foram vítimas da disputa por terra no Estado do Pará. Maria do Espírito Santo da Silva e José Claudio Ribeiro da Silva foram assassinados no Projeto de Assentamento Agroextrativista Praialta-Piranheira, na comunidade de Maçaranduba, em Nova Ipixuna, sudeste do Pará.

O casal militava pela reforma agrária e defendia a preservação da floresta, denunciando madeireiros da região que insistiam na exploração predatória dos recursos florestais.

Como é comum na região, as vítimas são ameaçadas constantemente e pedem proteção policial, quase sempre mínima e insuficiente. O final é esperado, assim como aconteceu com a missionária Dorothy Stang em Anapu.

E o Governo do Estado? O que fez para evitar mais uma morte?

E ainda querem anistiar desmatadores (no novo Código Florestal) e propagar a ideia de que o crime compensa.