Fórum Social Mundial & AIJ 2009: balanço atrasado

Por problemas técnicos não pude publicar minha avaliação do evento, mas nunca é tarde para avaliar esse tipo de acontecimento.

Achei importante realizar o FSM na Amazônia, não só pela simbologia que essa região apresenta, mas também pela importância da mesma para a comunidade global, portanto, trazer o Fórum para o palco amazônico tornou o evento como o centro das discussões, o que sucitou temas desde a preservação da floresta em si, até o resgate dos saberes das populações tradicionais (índios, quilombolas, ribeirinhos, entre outros).

Como todo evento de grande proporção, sempre há pontos positivos e negativos. Um dos pontos negativos dizia respeito a própria organização, que não conseguiu ser auto-gestionada (pela incapacidade de certas pessoas e ONGs de colocar “a coisa” em ação).  Um outro ponto negativo diz respeito  aos voluntários, que foram péssimamente treinados, não receberam nenhum auxílio durante o evento como alimentação e transporte e quase sempre estavam desinformados,  tudo por conta de um curso de formação ruim e de um material péssimo que desorientava qualquer um.

A programação do FSM era extensa e os locais nem sempre eram próximos (principalmente na UFRA), o que desencorajou muitos a participar dos debates, o que gerou salas vazias e algumas atividades canceladas, mas de modo geral, a programação fluiu bem e quem participou gostou e saiu com vontade de saber mais.

Em relação ao Acampamento da Juventude posso dizer que nada mais era que um Woodstock esquerdista, sendo que boa parte dos acampados não estavam preocupados em construir um mundo melhor, a não ser que fosse só para eles. Por lá vi muito lixo, falta de higiene nos banheiros, pessoas consumindo drogas em público, alguns vândalos que depedravam a própria universidade e pouca discussão. Na Aldeia da Paz vi muitos hippies, muita lama, algumas discussões pertinentes, mas poucas pessoas conseguiam ir lá, por conta da distância e da lama.

Em termos de informações, esse Fórum foi ótimo, pois lá era possível conhecer trabalhos, ações e movimentações do mundo todo, assim como as publicações das ONGs e entidades envolvidas no 3° setor. Quem estava disposto a conhecer e se informar saiu realizado do FSM.

A Fórum Social criou o “efeito fórum”, ou seja, com a presença da polícia e dos orgãos públicos, a periferia (Terra Firme e Guamá) sofreu melhorias, por exemplo: a distribuição de água na Terra Firme era problemática, já que em determinados horários a água faltava, mas como não poderia faltar água durante o Fórum, a própria companhia de saneamento tratou de resolver o problema, hoje não falta mais água no bairro.

A própria violência que antes era rotina nesses dois bairros, hoje anda escassa, inclusive alguns jornais (sanguinários) estão sem pauta para o caderno de polícia, o que é positivo. Agora sim percebo o quanto o Fórum mudou a cidade para melhor (sem ajuda do ineficaz prefeito de Belém, que tomou uma sonora vai no Hangar e agora anda ausente…por mais 4 anos).

Um outro mundo não é possível, na verdade ele já existe, as pessoas que devem se conscientizar e contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos povos excluídos e das minorias injustiçadas.

393 Anos de Belém: sem motivos para comemorar

Belém completará dia 12 próximo, 393 anos de existância, mas será que temos o que comemorar? A resposta é a seguinte: não, absolutamente nada. Belém está esquecida, principalmente pela classe política (candidatos, parlamentares, autoridades, etc). Belém vive um abandono visceral, entregue à própria sorte.

Motivos para lastimar são muitos, como: a violência, que hoje já não é privilégio dos mais pobres, atinge também médicos, promotores, empresários, etc.  Proporcionalmente, Belém é uma das capitais mais violentas do país e o pior, em muitos dos crimes cometidos há participação de menores. Menores desamparados pela família e pelo Estado, seduzidos pela criminalidade, viram armas nas mãos de bandidos.

Belém tem poucos espaços para praticas de Esportes, se antes existia um half para prática de skate na Duque, hoje nem bancos o “belo” corredor possui. A juventude não é prioridade para a prefeitura de Belém, nem a saúde, nem a educação, nem saneamento. O atual prefeito é um dos piores, senão o pior de todos.

As nossas praças estão inseguras e abandonadas, o que aconteceu com a Funverde? Que cuidava das praças e logradouros de Belém? Um exemplo é a praça Waldemar Henrique, cheia de lixo, iluminação precária, moradores de rua, ratos, etc. Nem os ambulantes querem ficar mais ali, e olhe que fica perto de um dos mais belos cartões postais da cidade, a Estação das Docas.

O nosso sistema de transporte urbano é um caos: ônibus lotados, sujos, assaltos constantes, transporte alternativo precário, além da tarifa récem ajustada, em breve a população terá que andar de bicicletas para poder se deslocar, já que o transporte público está falido.

Poderia listar outros problemas de nossa cidade, mas com o que foi exposto acima é possível ter noção do quanto Belém está entregue às moscas e sem perspectiva de mudança, pelo menos nos próximos 4 anos de administração municipal.

PS.: O Fórum Social Mundial está na porta, em breve iremos saber se Belém pode sediar eventos desse porte. Se depender do Governo Estadual e da Prefeitura, o evento será  um fracasso, os motivos nem cabe aqui enumerar.

1° Simpósio Nacional Linguagem e Imagem em Belém

spam_final-para-o-orkut1

No ano de comemoração do centenário de nascimento do cineasta Líbero Luxardo, a capital paraense tem o privilégio de receber nos dias 11 e 12 de dezembro o 1° Simpósio Nacional Linguagem e Imagem, promovido pelo Grupo de Trabalho em Imagem (GTI), um excelente grupo de discussão e pesquisa que realizava eventos nas dependências do Instituto de Letras da Universidade Federal do Pará, dentro do projeto “Linguagem e Cinema: Foco da Câmera Apoiado no Tripé Discurso, Ideologia e Arte”. Superando as limitações de tempo, espaço e recursos, o GTI conseguiu construir algo inovador, ignorando e superando a própria condição de “periferia acadêmica” na qual a UFPA se encontra.

Se antes a cidade de Belém não recebia eventos desse porte, hoje pode comemorar, pois essa linguagem (a da 7ª arte) tão fascinante começa a despertar interesse não só do público, mas também de pesquisadores da área da lingüística do discurso e de audiovisual. Os espaços de discussão, exibição e promoção do cinema foram ampliados ao longo de 10 anos e a cidade já possui um público fiel para esse tipo de evento, o que demonstra que Belém em breve se tornará a capital do cinema (sem exagero).

O principal propósito deste Simpósio é discutir, divulgar e promover as atividades de pesquisa, ensino e extensão desenvolvidas pelo GTI. É importante salientar que embora o evento tenha um caráter essencialmente acadêmico, a proposta é ir além dos muros da academia estabelecendo, assim, diálogo(s) com as outras instâncias do conhecimento na sociedade.

O evento ocorrerá  em dois significativos espaços para o projeto e para a cidade de Belém (PA): o Teatro Experimental Waldemar Henrique e o Cinema Olympia.

Saiba mais:

Visite o site oficial do evento aqui.

Eleições 2008: avaliação e balanço atrasado

Como sempre, Belém foi a última a finalizar a apuração dos votos, mesmo com a centralização dos trabalhos no Hangar, no entanto, o assunto do presente texto não é a pane nas urnas e nem o atraso na totalização dos votos, mas sim o balanço do pleito municipal.

Contrariando todas as pesquisas de opinião encomendadas (e manipuladas), o candidato Priante (PMDB) conseguiu ultrapassar a candidata Valéria (DEM) e o candidato Mário Cardoso (PT). Valéria já se dizia no 2° turno, o que não aconteceu. A candidata ao que tudo indica perdeu votos depois do início da maratona de debates (que mostra o candidato sem maquiagem e sem truques), o que culminou com essa amarga derrota para a tucanada, que tenta reaver o poder novamente sobre o Pará.

O candidato Mário (PT) que ao longo da campanha utilizou a imagem do presidente Lula para angariar votos (estratégia essa que deu certo), manteve-se em disputa direta voto a voto com Priante e por pouco não (cerca de 7.000 votos), figurou na 3ª posição geral.

O candidato Jordy (PPS) obteve bons percentuais (cerca de 11%), mostrando que a popularidade do mesmo cresce a cada pleito municipal, o que pode indicar no futuro uma disputa (em 2012) com grandes chances de vitória.

Os candidatos nanicos obtiverem quase a mesmo percentual dos divulgados nas pesquisas de opinião, ou seja, o discurso das “sub-prefeituras de bairros”, de “centros comunitários interligados”, não foi levado à sério.

A disputa daqui pra frente entre Priante e Duciomar Costa promete pegar fogo, já que Priante possui o PT como principal aliado na base nacional (o que contribuiu para a eleição da governadora Ana Júlia), já no caso de Duciomar Costa, a coisa tá feia. O partido de Duciomar Costa, o PTB é aliado do governo Lula, logo, Lula deveria apoiar Duciomar…ERRADO! No caso do Pará, o PTB se familiariza com os tucanos (PSDB), isso pode ser confirmado pelo uso da cor amarela ao invés do vermelho, preto e branco, ou seja, o Dudu é um tucano enrustido.

É complicado desenhar algum cenário futuro de possível resultado do 2° turno, pois, mesmo com índices de rejeição altos, o candidato Duciomar asfaltou muitas ruas por aí, e isso realmente gera votos. No caso de Priante é importante lembrar que Jáder Barbalho (PMDB) é o mentor de sua trajetória política, ou seja, muita gente detesta os Barbalhos.

Vamos aguardar e ver quais estratégias serão utilizadas e que alianças serão criadas para só assim vermos quem vai cuidar da nossa cidade pelos próximos 4 anos, portanto, faça a escolha certa, voto tem conseqüência.

Saiba mais: http://g1.globo.com/Eleicoes2008/Para/0,,15722,00.html

Encontro Nacional dos Estudantes de Letras em Belém [Enel 2008]: expectativas

c1a5a58236.jpg

O Encontro Nacional dos Estudantes de Letras faz parte do calendário de todo estudante de letras engajado. Trata-se de um encontro promovido pela base estudantil com apoio dos CA’s (Centros acadêmicos), ExNel (Executiva Nacional dos Estudantes de Letras) e suas regionais, assim como o apoio da Universidade sede e dos orgãos ligados a ela.

Já participei de dois encontros, o primeiro em 2005 em Recife, realizado na UFPE. O encontro pecou ao perder o controle da situação com o inchaço de participantes, o que prejudicou a infra-estrutura básica do evento, já que os banheiros eram insuficientes, os alojamentos também, além da programação acadêmica que ficou comprometida. A comida era suficientemente boa, assim o encontrista ficava feliz depois de passear pela bela cidade e encontrar o sabor da fascinante culinária nordestina.

Em 2006, na então capital federal, as coisas melhoraram. A programação acadêmica funcionou muito bem, com excelentes palestras (Marcos Bagno, Dante Lucchesi, Evanildo Bechara, Marta Scherre, Aryon Rodrigues, etc). As festas foram boas também, bem animadas (não tanto quanto as do Enel em Recife), exceto pelo espaço minúsculo, pelo frio e pela turma da “fumaça” que “pegou fogo”.

A comida pouco caprichada e as longas distâncias entre o centro olímpico e o ICC também foram pontos negativos do encontro, mas no geral a avaliação foi boa.

Em 2007 em Curitiba não pude comparecer, mas fontes seguras afirmaram que o encontro teve muitos problemas, inclusive algumas pessoas que iriam apresentar trabalho não conseguiram por conta de falta de local, horário, etc. Quem foi elogiou muito mais a cidade do que o encontro em si, ou seja, a cidade salvou o encontro.

Já estamos em 2008 e o encontro será em Belém, o que é louvável. Primeiro por ser a capital da Amazônia, por estar fincada no meio da floresta amazônica e cercada por desafios, mitos e contradições.

A capital paraense não possui animais silvestres passeando nas ruas e avenidas e muitos menos é tomada por esquadrões de mosquitos, pelo contrário, aqui você encontra um metrópole aos moldes amazônicos, com clima quente e úmido, povo hospitaleiro, com uma diversidade de ritmos, sabores e raças.

Quem pisa na Amazônia nunca mais volta o mesmo, disso podem ter certeza, aqui os rios são oceanos, a floresta é um imenso tapete verde, as chuvas tem hora marcada para cair, só aqui temos noção de que o Brasil é um continente.

Estudantes de Letras do Brasil, participem e aprendam a valorizar e defender o que é nosso!

Mais informações:

ENEL-2008
Belém-Pa
Encontro Nacional dos Estudantes de Letras

Data do Encontro:19/07 à 26/07/08

Inscrição:

Período: 03/03/08 —- 30/04/08

Inscrição Completa: R$65.00 (inscrição+alojamento+alimentação)

Inscrição+Alojamento: R$50.00

Inscrição+Alimentação: R$55.00

Somente Inscrição: R$40.00

Período: 01/05/08 —- 19/06/08

Inscrição Completa: R$80.00 (inscrição+alojamento+alimentação)

Inscrição+Alojamento: R$65.00

Inscrição+Alimentação: R$70.00

Somente Inscrição: R$60.00

Período: 27/06/08 —- 19/07/08

Inscrição Completa: R$100.00 (inscrição+alojamento+alimentação)

Inscrição+Alojamento: R$85.00

Inscrição+Alimentação: R$90.00

Somente Inscrição: R$80.00

Agência: 3702-8

Conta Poupança: 23951-8 Banco do Brasil

O recebimento de trabalhos acontecerá de 01 de março a 16 de maio, interessados enviar resumos para enelpara@yahoo.com.br

As regras para submissão são as da ABNT em vigor

Weblog do evento (em breve teremos hotsite): http://xxixenel.blogspot.com/