Espaço Solidário – Museu Comunitário (via Revista Fórum)


“Esta matéria foi publicada em uma das edições da Revista Fórum do ano passado e fala sobre um dos 12 pontos de memória em funcionamento no bairro da Terra Firme. Confira o texto falando sobre essa excelente iniciativa que merece ser apoiada e divulgada.

Moradores da periferia de Belém criam museu comunitário


O bairro mais pobre de Belém (PA), Terra Firme, terá, a partir deste mês de junho, um centro de cultura e memória gerido pela própria comunidade. No fim de maio foi eleito um conselho gestor para administrar o museu comunitário de Terra Firme, uma iniciativa de um grupo de mulheres que se organizaram e resolveram realizar oficinas e trabalhos ligados à gastronomia e ao artesanato local, estimulando assim manifestações culturais locais. A iniciativa vem sendo apoiada pelo governo federal após ter sido reconhecida como um Ponto de Memória – espaço onde se promove a preservação do patrimônio cultural de uma determinada comunidade.

Iniciativa semelhante também existe na Favela da Maré, que abrigou a primeira experiência do gênero, inaugurada em 2006. Na favela do Pavão-Pavãozinho, ao invés de um espaço físico para concentrar o acervo e as atividades, os moradores envolvidos com o projeto resolveram fazer de toda a favela um grande museu a céu aberto, como explica Mário Chagas, museólogo e diretor do Departamento de Processos Museais do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). “Estão fazendo sinalizações na favela indicando o que eles consideram patrimônio cultural, desde manifestações até lugares específicos”. Para se conhecer o museu, é preciso fazer um roteiro na comunidade.

Cada museu comunitário tem sua própria forma de organização e funcionamento. O de Belém está assentado em iniciativas que já existiam, principalmente em torno de festivais de gastronomia local, considerada pelos moradores como patrimônio cultural da comunidade. Além de Belém e Rio de Janeiro, outras 10 cidades já abrigam museus comunitários apoiados pelo Programa Ponto de Memória: Recife, Maceió, Salvador, Vitória, Belo Horizonte, Brasília, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre e Fortaleza.

“Durante muito tempo os museus foram vistos como equipamentos culturais ligados à aristocracia. Agora as comunidades populares começam a perceber que eles podem ser um bom instrumento utilizado para o desenvolvimento local e comunitário”, conta Chagas. A experiência de museus comunitários já existia em outros países no século passado, como no México e Chile nos anos 1970, e em Portugal após a Revolução dos Cravos.

O programa é financiado com verbas do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci), do Ministério da Defesa, e do Ministério da Cultura.

Por Camila Souza Ramos

Fonte: Revista Fórum

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s