A Não Exigência de Diploma para ser Jornalista


A decisão do STF foi polêmica e dividiu opiniões. Creio que a não exigência de diploma para exercer a profissão de jornalista não significa que o curso superior de comunicação social seja dispensável. Creio que a qualificação será o diferencial para os jornalistas diplomados e o curso pode ser ainda mais valorizado.

Ter o diploma não garante um bom profissional, já que a imprensa possui jornalistas ruins (um exemplo de péssimo jornalismo foi o caso da Escola Base), assim como em qualquer outra profissão. No caso do Pará, a maioria trabalha sob a ótica do sensacionalismo e do que pode ou não vender (no caso dos cadernos policiais que mostram atrocidades e imagens fortes). Além disso, podemos perceber a falta de qualidade  em muitas matérias e o abuso das matérias de entretenimento.

Em Belém temos boas tentativas de jornalismo sério, como o caso da Rede Record, que faz uma cobertura abrangendo o interior do Estado, além de evidênciar o jornalismo comunitário. A jornalista Úrsula Vidal também exerce um papel excelente a frente do SBT, assim como Lúcio Flávio Pinto em seu Jornal Pessoal, talvez a vanguarda do jornalismo paraense. O próprio Lúcio Flávio não possui formação em comunicação social, mas sim na sociologia – o que o fez ter uma formação bem mais abrangente -, segundo o próprio em entrevista ao Balanço Geral, a exigência do diploma para atuar como jornalista é algo privativo do Brasil, herança da Lei de Imprensa (lei n° 5250/1967, que já foi revogada pelo STF), que coibia a prática do jornalismo dos pequenas mídias alternativas e punia jornalistas com penas diferenciadas, que nem o Código Penal amparava, portanto, inconstitucional.

As demais empresas jornalisticas ou mostram bandidos sendo mortos por policiais ou as fotos da coluna social, de informação útil apenas o mínimo e reproduções de jornais de grande circulação do país (Folha, JB, O Globo, etc).

Essa polêmica em torno da não exigência do diploma de jornalista é a oportunidade dos estudantes de jornalismo tem para mostrar que estão antenados com o local e com o global, que são formadores de opinião e que podem contribuir para a melhoria em diversos setores da sociedade, já que a mídia tem força para isso.

Relembre o caso da Escola Base aqui.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s